O turismo sustentável

Em 2015, 1.186 milhões de pessoas viajaram pelo mundo em busca de paisagens paradisíacas, culturas remotas, aventuras inéditas, temperaturas extremas, comidas exóticas, histórias ancestrais, hotéis de luxo e outras experiências. Um número que, de acordo com a Organização Mundial do Turismo (OMT), deve alcançar 1.8 bilhões, em 2030.

O turismo é um dos setores da economia que mais crescem internacionalmente, responsável por 10% do PIB mundial, 7% das exportações e um em cada onze empregos no mundo. Portanto, o turismo parece ser mesmo uma atividade do bem, quando não consideramos as iniquidades e impactos negativos que ele pode gerar.

Dentro de um planeta que convive cada vez mais com questões graves que impedem o desenvolvimento sustentável, como as mudanças climáticas, o esgotamento de recursos naturais, a pobreza e a fome, o turismo pode atuar como causa e também potencial solução para estas e outras urgências ambientais.

O turismo possibilita movimentar a economia de uma região, já que os visitantes se hospedam, se alimentam, fazem alguma atividade de lazer ou negócios – enfim, consomem produtos e serviços.

Cabe também a nós, como anfitriões ou hospedes, microempresários pensarmos em como podemos promover um turismo que contribua para o bem-estar, a qualidade de vida e a valorização da cultura das comunidades, o equilíbrio e preservação ambiental e a sustentabilidade econômica do pequeno ao grande empreendedor.

Assim,  a OMT definiu o turismo sustentável como: aquele tipo de turismo que considera plenamente seus atuais e futuros impactos econômicos, sociais e ambientais, abordando as necessidades dos visitantes, da indústria, do meio ambiente e das comunidades locais.

Ainda neste contexto, em janeiro de 2015, uma resolução da ONU “Promoção do Turismo Sustentável, incluindo ecoturismo, para erradicação da pobreza e proteção do meio ambiente reconheceu o turismo sustentável como ferramenta estratégica para redução da pobreza, proteção da biodiversidade e desenvolvimento das comunidades.

Veja as  dicas do AKATU ( https://www.akatu.org.br/sobre-o-akatu/) para um turismo sustentável podem ser bons tanto para você quanto seus hospedes:

Respeite a cultura e as comunidades locais

Mais do que conhecer um destino e suas belezas, você pode ter o prazer de conhecer as pessoas que moram lá. Respeite sempre a cultura regional – aproveite para conhecer as diferenças e ouvir histórias locais. Procure um guia local  e valorize o patrimônio regional.

Prefira os alimentos e pratos da época e regionais

Quando o visitante escolhe alimentos da região que visita, e da época, está optando por um consumo com menos impacto, já que são exigidos menos recursos como agroquímicos  em sua produção e eles são transportados por distâncias mais curtas, emitindo menos gases de efeito estufa. Esses alimentos regionais geralmente são ingredientes dos pratos típicos da região, que são uma aventura para o paladar dos visitantes.

Atenção na hora de comprar as lembrancinhas

Neste pequeno gesto de consumo, de comprar um objeto como lembrança, o turista consciente pode valorizar o trabalho de artesãos locais, que mantêm a cultura regional viva e usam o dinheiro em benefício de suas famílias. Por outro lado, fique atento ao material usado e não compre um souvenir que possa ter causado dano à natureza, como a destruição de recifes de corais, importantes para o equilíbrio da vida marítima, por exemplo.

Não deixe nada no caminho

Atenção aos resíduos que você gera quando visita um local – eles são de sua responsabilidade.  Se estiver em uma trilha, praia ou outro lugar onde não houver coleta de lixo, leve um saquinho para carregar os seus resíduos e destiná-los a um local correto, sem poluir o meio ambiente.

Não retire nada no caminho

Ao fazer passeios em áreas ambientais, não recolha plantas e animais, pois isso pode prejudicar o ecossistema. A melhor recordação que você pode ter é uma linda foto, além de boas histórias para contar.

Evite o descartável

Procure levar com você o seu recipiente reutilizável para beber água ao invés de comprar água em garrafas plásticas. Leve consigo também uma sacola durável para evitar o consumo das descartáveis quando fizer compras.

Mala na medida certa

Na hora de preparar a mala, seja seletivo. Você não precisa levar sua casa inteira com você. Escolha roupas versáteis, que combinem facilmente entre si e sirvam para diversas situações. Isso facilita o deslocamento e pode ajudar a diminuir os gastos com transporte e com energia na lavagem.

Sem desperdício de água ou energia

Não desperdice água ou energia no local onde estiver hospedado. Evitar a troca desnecessária de roupa de cama e toalhas também ajuda a não desperdiçar água e energia. Ao sair do ambiente, não esqueça de desligar a luz e o ar condicionado, e de tirar os equipamentos da tomada.

Desloque-se com consciência

Sempre que possível, tente fazer os seus passeios a pé ou de bicicleta, pois desta forma não há emissões de gases de efeito estufa, causadores das mudanças climáticas – além de ser um exercício físico agradável. Planeje o roteiro de viagem de forma a não gastar combustível à toa. Deixe os veículos motorizados para trechos mais longos, dando preferência ao transporte público sempre que possível.

Não se esqueça de valorizar as belezas locais

Uma viagem internacional é algo muito especial, mas não tira o valor de descobrir a beleza natural e a riqueza da cultura do nosso próprio país, estado e até mesmo da nossa cidade. Uma busca simples na internet com certeza revelará locais próximos que merecem ser visitados, reduzindo muito o impacto ambiental do passeio, e permitindo incentivar o turismo local e o desenvolvimento da economia local. Sem contar que pesa menos no bolso!