O Booking.com esta copiando o Airbnb?

Desde fevereiro de 2018, o Priceline Group adotou o nome de seu principal player e passou a ser chamado de Booking Holdings. Essa mudança, de acordo com o CEO da companhia, Glenn Fogel, aconteceu para que o mercado e investidores entendessem de maneira instantânea os negócios da marca. A expressão booking da holding, porém, não deverá se ater apenas à hotelaria para sempre. O full-service vem aí.

Fogel subiu ao palco da Phocuswright Conference 2018, realizada na Califórnia, e deixou claro que a empresa quer ser mais do que apenas uma plataforma de reserva de hotéis. Em um futuro não muito distante, o botão booking da plataforma deverá, também, representar todas os produtos turísticos, de voos a atividades e atrações.

“Queremos que o viajante tenha toda a viagem provida por nós. Com certeza, isso inclui agregar venda de bilhetes aéreos”, disse Fogel sem dar muitas pistas sobre quando e como essas novidades deverão começar a surgir.

O que também foi confirmado pelo CEO é o foco no mercado de casas férias (Vacation Rental, em inglês) e resorts de praia. “Ainda não somos os maiores nestes segmentos, mas queremos chegar lá e estamos caminhando em busca disso”.

Em notícia recente divulgado pelo portal Tnooz, executivos da Booking.com revelaram diversas mudanças na plataforma, que visam facilitar a prática do aluguel por temporada no site, poupar tempo dos proprietários e definir quem deve ou não reservar sua propriedade.

O vice-presidente da Booking.com, Olivier Grémillon, diz que a empresa desenvolveu essas ferramentas baseadas em reviews de profissionais do ramo do aluguel que anunciam e administram milhões de acomodações disponíveis no site.